Trabalhador atingido por blocos de concreto será indenizado por construtora
Direito Civil | 14/08/2018

Trabalhador atingido por blocos de concreto será indenizado por construtora

A MRV Engenharia e Participações S/A foi condenada a pagar R$ 10 mil a Kleberley Gomes de Souza, a título de indenização por danos morais, em decorrência dele ter sido atingido por vários blocos de pré-moldados (concreto). A decisão é da juíza Letícia Silva Carneiro de Oliveira Ribeiro, da 1ª Vara Cível, de Família, Sucessões e da Infância e da Juventude da comarca de Valparaíso.

Consta dos autos que, após o acidente, ocorrido em 20 de novembro de 2012, a MRV não ofereceu nenhuma ajuda ao trabalhador, seja de forma financeira ou psicológica. Segundo o autor, ele teve que se afastar durante 90 dias de suas atividades laborais, além de frequentar sessões de fisioterapia, tendo por objetivo contribuir para a melhora dos seus movimentos. Diante disso, requereu judicialmente a condenação da empresa.

A MRV foi citada, momento em que, no mérito, impugnou todos os argumentos da parte autora, uma vez que alegou que o foro seria inapto para julgar a matéria, tendo em vista que o assunto se tratava de relação trabalhista. Foi realizada audiência de conciliação, entretanto, as partes a rejeitaram.

Decisão

Ao analisar os autos, a magistrada argumentou que o empregador é responsável pela integridade física do empregado quando em operações e processos sob a sua responsabilidade, devendo inclusive promover condições justas e favoráveis ao desenvolvimento do trabalho.

“As lesões causadas ao autor representaram risco de invalidez tendo, ele, inclusive debilidade permanente parcial conforme atestou a perícia, tendo exigido tratamento contínuo e prolongado constatado pelos laudos médicos, causando-lhe sofrimentos físicos e psíquicos”, afirmou.

A magistrada ressaltou que a indenização por danos morais deve equivaler a um montante que corresponda a uma sanção, a fim de que o ofensor seja incentivado a refletir melhor sobre seus futuros atos e aguçar seus sentidos para não incorrer em atos culposos decorrentes de imprudência, imperícia e negligência.

“Diante da real existência e extensão do dano moral, o juízo deve formular o valor formulado à luz de critérios como razoabilidade e prudência”, explicou. Quanto aos danos estéticos, a magistrada disse que o autor não apresentou provas que comprovassem as alterações da aparência de seu membro lesado, em decorrência do acidente.   (Centro de Comunicação Social do TJGO)

Ficou alguma dúvida? Entre em contato conosco ou agende uma visita.

pergunta

Qual o seu problema?

Atendimento rápido e online!

Step
Agende agora mesmo um horário com a M&S AMORIM
Para lhe prestar o melhor serviço, queremos entender melhor sua necessidade.
Ligamos para você!
Solicite uma ligação
e tire suas dúvidas
Fale com um de nossos atendentes ou, se preferir, nós ligamos para você.

VENHA BATER UM PAPO CONOSCO, NÓS PODEMOS LHE AJUDAR ;)

Agende aqui sua visita

Consulta de processos

Ligamos para você

Dúvida