Nutricionista comprova vínculo de emprego com laboratório e obtém reconhecimento de estabilidade gestacional

Nutricionista comprova vínculo de emprego com laboratório e obtém reconhecimento de estabilidade gestacional

Compartilhar

A 17ª Vara do Trabalho de Goiânia reconheceu o vínculo empregatício entre uma nutricionista, que teve seu contrato de prestação de serviços interrompido durante a gravidez, e um laboratório farmacêutico de Anápolis (GO). 

Para o Juízo de primeiro grau, as provas do processo demonstraram que a trabalhadora permaneceu em uma relação de emprego mesmo atuando como pessoa jurídica, uma vez que suas atividades estavam subordinadas a superiores hierárquicos da indústria, inclusive com prestação de contas das atividades desempenhadas.

Trabalhadora teve que abrir um MEI para atuar no laboratório

A nutricionista afirmou que foi contratada de forma irregular, por meio de uma empresa constituída em seu nome, para o cargo de vendedora de nutrição parenteral em hospitais privados e públicos. 

A trabalhadora também atuava na oferta de suporte para treinamento e orientação aos clientes, prospecção de novos hospitais, cobrança, acompanhamento de faturamento e entrega de dietas, dentre outras funções. Exercia as atividades em Goiânia, Anápolis, Rio Verde e Catalão. 

Após o desligamento, a colaboradora buscou a Justiça Trabalhista para requerer, entre outros pedidos, o reconhecimento do vínculo de emprego. 

Provas demonstraram o vínculo de emprego

Na sentença, o juízo destacou que as provas testemunhais demonstraram a subordinação da vendedora a uma superiora, a quem reportava os planejamentos e execuções de visitas por meio de relatórios. 

Além disso, a nutricionista não poderia faltar ao laboratório sem prévia autorização e não tinha autonomia para dar descontos na venda de produtos. 

Entre as provas do processo, havia também uma nota fiscal emitida pela colaboradora, que confirma o pagamento de verbas tipicamente empregatícias, tais como aviso prévio, abono proporcional e saldo de salário. 

Ao final da ação, a Justiça reconheceu o vínculo empregatício entre as partes e determinou a anotação da CTPS da trabalhadora.

Estabilidade gestacional

A trabalhadora também pediu o reconhecimento da estabilidade gestacional e o pagamento das verbas substitutivas. Afirmou que a dispensa ocorreu quando estava com 30 semanas de gestação.

O Juízo da 17ª Vara do Trabalho reconheceu a garantia de emprego e, por não ser mais possível a reintegração tanto pelo fim do período estabilitário como pelo encerramento das atividades empresariais, converteu o período em indenização correspondente, devendo a empresa arcar com o pagamento dos salários, recolhimento do FGTS + 40%, 13º salário e férias acrescidas de 1/3, desde a data da despedida sem justa causa até 5 meses após o parto.

 

Processo: 0011756-65.2019.5.18.0017

Fonte: TRT 18º Região

Notícias Relacionadas

Receba conteúdos sobre nossas especialidades em seu e-mail.

Atendimento Online Advogado

Antes de entrar em contato nos informe seus dados abaixo:

🔴 ALERTA DE GOLPE 🔴

Inúmeros clientes de escritórios de advocacia em geral estão sofrendo tentativas de golpes desde 2022 por telefone e WhatsApp.

Os dados de processos, no Brasil, são públicos. Isso facilita as ações de golpistas.

Por isso, se você receber qualquer contato em nome do escritório ou dos Drs. Gutemberg Amorim e Yunes Marques e Sousa solicitando envio de valores via Pix, desconfie!

Esse não é um procedimento do escritório.

Dúvidas, ligar para (62) 3091-7443.